Júlia Stockler, de ‘Éramos Seis, fala sobre interpretar uma personagem autista


Éramos Seis – Justina (Globo/Victor Pollak)
Quem acompanha a história de ‘Éramos Seis’, se comove com a personagem Justina, interpretada pela atriz Júlia Stockler. Ela dá a vida a um papel um pouco incomum, que é interpretar uma personagem autista.

+ Em seu primeiro trabalho na TV, Julia Stockler se assusta com reação do público nas ruas
Em conversa com a Revista Quem, a atriz Júlia Stockler comentou detalhes de sua atuação e como ela conseguiu este papel, que envolve uma carga emocional bastante forte:
“Fui convidada para fazer um teste. Logo que a produtora me explicou a Justina, eu fiquei emocionada. Tanto a Guida do filme como a Justina são mulheres à margem da sociedade da época. Mulheres que possuem um mundo interno cheio de conflitos e utopias. Eu ainda estava em Cannes. Cheguei no Brasil, fiz o teste com uma das diretoras da novela, e ali já senti que o caminho ia ser bonito”, iniciou a atriz.
+ Atriz de ‘Éramos Seis’ conta proibição inusitada no set de gravações
A famosa, que é de outra área da dramaturgia, contou que foi um desafio se adaptar as novelas: “Sim. Acho que a novela tem um ritmo muito desafiador, e eu queria entender também como construir uma personagem durante tanto tempo. O que isso traria de desafios, medos e descobertas. Cada cena nova que eu leio, eu transformo a maneira como encaro o universo da Justina. É muito interessante”, comentou.
+ Morre ator Walmir Santana, de ‘Éramos Seis’, aos 60 anos
Também na entrevista, Júlia Strockler deu detalhes sobre os desafios de interpretar a personagem autista: “A Justina é um personagem que emana amor. Tem uma sensibilidade muito apurada, um jeito novo de olhar o mundo e a natureza. Viveu anos trancada em uma casa, sozinha, com pouquíssimos atrativos e diversão. É um pássaro engaiolado que por ser assim, tem momentos de indignação”, iniciou a atriz, que revelou que a preparação iniciou bem antes do começo do folhetim: “Para compor o personagem tive encontros com grupos do Instituto Priorit. Conversamos muito, desenhamos, dançamos juntos… E eu fui sentindo o que de Justina existe em cada um de nós. Minha maior preocupação era não estigmatizar o autismo, ou criar estereótipos para dar conta desse universo. Cada sujeito tem um universo de singularidades e é isso que eu tento descobrir e criar para a Justina”.