Ex-BBB, ‘vilão’ da temporada de 2005, declara torcida sobre Prior e revela boicote da Globo



– Advertisement –

Dr. Gê e Felipe Prior – Montagem/Área Vip
Se o ‘Big Brother Brasil 20’ segue fazendo história, a edição de 2005 do programa conseguiu repetir um feito ainda maior e se tornou uma das temporadas mais memoráveis da história do reality show. Consagrando a vitória do atual político Jean Wyllys, além da segunda colocação de atriz Grazi Massafera, assim como todas as fases, também teve o seu ‘vilão’.
+ BBB20: Gizelly detona oportunismo de Flayslane no jogo e rasga o verbo
– Advertisement –

A atual edição comandada por Tiago Leifert possui inúmeros que são apontados pelo publico, isso é fato, mas na quinta temporada, a participação de Rogério Padovan, ou melhor conhecido como Dr. Gê, foi um destaque, no qual ele saiu da casa como um dos mais rejeitados. Em entrevista concedida à revista Quem, ele relembra que salvou uma vida na edição, fazendo referência a Marielza, que foi retirada da atração após ter sido vítima de um AVC (Acidente Vascular Cerebral).
+ BBB20: Eliminado, Guilherme troca nome de Gabi Martins por Bianca Andrade e revela decisão
– Advertisement –

Médico formado, ele lamenta o tipo de boicote sofrido e que não havia sido exibido na edição. “Eu salvei uma vida lá dentro. A Marielza entrou, teve um AVC isquêmico, eu dei o diagnóstico dela e não foi mostrado [na TV]. Se tivessem mostrado que eu tinha salvado uma vida, com certeza eu estaria na final. Mas é muito mais conveniente dar audiência [como vilão]”, contou.
+ BBB20: Após eliminação de Guilherme, Felipe Prior bate boca com Rafa e Manu Gavassi
Eliminado com pouco mais de 92%, num Paredão em que havia disputado com Sammy, ele classifica como positiva sua trajetória na atração, na época sob comando de Pedro Bial, e destaca suas conquistas profissionais: “Todo mundo sabe que sou médico, tenho duas clínicas em São Paulo. Não me arrependo de nada”.
Com relação a nova temporada, o médico declarou sua torcida sobre Felipe Prior, e destaca o enfraquecimento do jogo com a probabilidade de uma saída do arquiteto. “Eu gosto muito do Prior. Se ele sair, acabou o jogo. Se fosse na minha época, eu estaria na final. Tem que ir para jogar. Tem que ter um vilão e um bonzinho”, concluiu.